Maio Verde Mês de Combate e Prevenção ao Glaucoma

7 de maio de 2020 0
eye-321961_1280-781x512-1.jpg

O GLAUCOMA, NÃO TEM CURA. MAS TEM TRATAMENTO E PREVENÇÃO.

Cerca de 900 mil pessoas no Brasil são portadoras de glaucoma, segunda causa de cegueira no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo as projeções, o glaucoma afetará 80 milhões de pessoas em 2020 e 111,5 milhões em 2040. Trata-se de uma doença grave, cuja perda – irreversível – do campo visual somente é percebida em estado avançado, quando pode já ter comprometido entre 40% e 50% da visão.

Por ser um vilão silencioso, o diagnóstico e o tratamento precoce são fundamentais para conter o desenvolvimento dessa patologia.

Exames de aferição da pressão intraocular, avaliação do nervo óptico e aferição da pressão arterial são essenciais como atitudes preventivas

“Sem uma rotina de consulta oftalmológica, a doença se instala e progride lentamente, podendo demorar meses ou anos para que o paciente perceba”, explica o Dr. Luiz Carlos Pegado, fundador da Clinop e do IBAP.

Abaixo, nossa equipe de médicos e residentes respondem as dúvidas mais comuns em relação ao glaucoma, explicando suas causas, manifestações, tratamentos e novidades no combate à doença. Confira:

O que é glaucoma? De que forma ele se manifesta?

É uma doença degenerativa do nervo óptico, que pode causar perda progressiva da visão. Trata-se de uma doença silenciosa, ou seja, assintomática, que só é diagnosticado em uma consulta oftalmológica de rotina.

Qual a gravidade dessa doença?

A doença, quando diagnosticada em estágios iniciais, pode ser controlada. O diagnóstico precoce previne sequelas irreversíveis, já que é possível, na consulta de rotina, saber que o paciente tem glaucoma antes dele desenvolver a perda da visão. Casos em estágios mais  avançados apresentam perdas de campo visual definitivas e até a cegueira completa, por atrofia do nervo óptico.

Quais causas e fatores influenciam a doença?

Entre os principais fatores de risco para a doença estão: indivíduos com mais de 40 anos, histórico familiar de glaucoma, algumas condições oftalmológicas (como altos míopes, pessoas que sofreram trauma ocular, processos inflamatórios e descolamento de retina), uso de medicações (corticoides e antidepressivos) e condições sistêmicas (diabéticos).

Existem tipos diferentes de glaucoma?

Sim. O tipo mais comum é o glaucoma de ângulo aberto, que ocorre quando a capacidade de produção de humor aquoso (líquido presente no interior do olho) que é superior à capacidade de drenagem. Esse fenômeno aumenta o volume de líquido presente no olho e, consequentemente, eleva a pressão intraocular. Esse tipo é o glaucoma silencioso, em que o paciente demora a perceber a perda visual.

Um segundo tipo é conhecido como glaucoma de ângulo fechado, que pode ser crônico ou agudo. Ocorre quando o paciente apresenta um estreitamento ou um fechamento do espaço de drenagem de humor aquoso. Nos casos agudos, o aumento da pressão ocular ocorre rapidamente e vem  acompanhado de sintomas como dor intensa nos olhos, embaçamento visual, visualização de círculos coloridos em volta das luzes, vermelhidão ocular, dor de cabeça e náuseas.

E o glaucoma congênito? De alguma forma, os sintomas, causas e tratamentos se diferem do glaucoma em adultos?

Glaucoma congênito é uma condição rara, grave e que afeta recém-nascidos. Por ser uma condição genética, em alguns casos, a criança é portadora e a doença se manifesta mais tarde, em adolescentes e adultos jovens. Nos recém-nascidos, o Teste do Olhinho é muito importante para o seu diagnóstico precoce. Nesses casos, o tratamento é sempre cirúrgico e deve ser indicado o mais rápido possível. Já em crianças, adolescentes e adultos jovens, o diagnóstico é feito em consultas de rotina e também podem apresentar quadros silenciosos como nos adultos.

Os sintomas são percebidos pelo paciente?

Não. A doença é silenciosa. Inicia-se com a perda de campo visual da periferia para o centro, sem comprometer a visão central. Nos estágios mais avançados, há a percepção da perda de campo periférica e existe a dificuldade de se localizar e locomover espacialmente. Com a progressão da patologia, ocorre a baixa visual gradativa até a completa perda da visão, se a doença não for tratada.

De que forma a pressão ocular se relaciona com essa doença? Algumas pessoas confundem: afinal, há alguma relação com a hipertensão arterial e a pressão ocular?

Na grande maioria das vezes, a pressão intraocular encontra-se alta, e controlá-la contribui com o controle da doença – essa medida indica a tensão no interior do olho e  considera-se a medida normal máxima para a população normal de até até 21 mmHg.  Não foi constatado uma relação direta não entre a hipertensão arterial e a pressão intraocular.

Quais os exames realizados para o diagnóstico da doença?

Alguns exames são importantes para detectar o glaucoma: tonometria (mede a pressão intraocular), fundoscopia (avalia o disco óptico), gonioscopia (avalia o ângulo  de drenagem do humor aquoso. Esses exames são determinantes para o diagnóstico de glaucoma no consultório médico. A partir daí, se os achados clínicos aumentarem a suspeita, parte-se para exames mais complexos.

Quais são os tratamentos possíveis? Qual a eficácia? Glaucoma tem cura?

Existem tratamentos clínicos (colírios) e cirúrgicos (laser, cirurgia fistulizante, cirurgias angulares, implantes de drenagem e procedimentos ciclo destrutivos). Em ambos os casos, o objetivo é controlar a pressão intraocular, e não curar a doença. O glaucoma não tem cura, tem controle.

Atualmente, existe alguma novidade em termos de tecnologia ou tratamento específico para essa doença?

Sim. A tecnologia tem evoluído na área do glaucoma. Existe o laser seletivo indicado para primeiro tratamento, ou para pacientes com glaucoma leve a moderado. E o i-stent, um implante de drenagem angular indicado para glaucomas leves a moderados, em pacientes já operados de catarata ou que têm indicação de cirurgia combinada (catarata e glaucoma).

Existe algo, algum cuidado, que possa ser feito preventivamente, antes da doença se manifestar?

Consulte seu oftalmológica regularmente e não use medicação sem orientação médica

INFORMAÇÃO, PREVENÇÃO E ATITUDE.


Deixe uma Resposta

Your email address will not be published.




Contato


CENTRAL DE ATENDIMENTO

21 2717-1001


WHATSAPP

21 97185-0559


TIRE SUAS DÚVIDAS

atendimento@clinop.com.br


FAÇA-NOS UMA VISITA

Av. Ernani do Amaral Peixoto, 36 3º Andar – Centro – Niterói – RJ



Sobre nós


Realizando atendimento oftalmológico em Niterói, a Clínica de Olhos Pegado foi fundada em 1973 pelo Prof. Dr. Luiz Carlos Pegado. Seus filhos, o Dr. Daniel Schwartz Pegado e o Dr. Rodrigo Schwartz Pegado, se uniram para formar o que hoje representa a mais importante clínica oftalmológica da cidade.

Seguindo um alto padrão de qualidade, a história da CLINOP é marcada pelo sucesso e inovação. Venha nos visitar e faça parte também da nossa história!


Newsletter


Inscreva-se na Newsletter da CLINOP e receba informativos sobre saúde, eventos e novidades.




    Redes Sociais


    Facebook

    www.facebook.com/clinop


    Instagram

    instagram.com/clinopinstitutodeolhos


    Youtube

    www.youtube.com/clinop




    Sobre nós


    Realizando atendimento oftalmológico em Niterói, a Clínica de Olhos Pegado foi fundada em 1973 pelo Prof. Dr. Luiz Carlos Pegado. Seus filhos, o Dr. Daniel Schwartz Pegado e o Dr. Rodrigo Schwartz Pegado, se uniram para formar o que hoje representa a mais importante clínica oftalmológica da cidade.

    Seguindo um alto padrão de qualidade, a história da CLINOP é marcada pelo sucesso e inovação. Venha nos visitar e faça parte também da nossa história!


    Contato


    CENTRAL DE ATENDIMENTO

    21 2717-1001


    WHATSAPP

    21 97185-0559


    TIRE SUAS DÚVIDAS

    atendimento@clinop.com.br


    FAÇA-NOS UMA VISITA

    Av. Ernani do Amaral Peixoto, 36 3º Andar – Centro – Niterói – RJ



    Newsletter


    Inscreva-se na Newsletter da CLINOP e receba informativos sobre saúde, eventos e novidades.




      Redes Sociais









      Copyright by Clinop 2020. Todos os direitos reservados.



      Copyright by Clinop 2020. Todos os direitos reservados.



      CENTRAL DE ATENDIMENTO: 21 2717-1001 | WHATSAPP: 21 97185-0559
      Fale Conosco
      Precisa de ajuda?
      Oi. Tudo bom!
      Como podemos te ajudar?